Dr. Rodrigo Bley, advogado tributarista do escritório Ogusuku&Bley, de Sorocaba-SP (3)

Contribuintes devem ficar atentos às mudanças na declaração do Imposto de Renda

1 ano atrás 0 0 403

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language. Entenda o que mudou no preenchimento dos dados neste ano, para não correr o risco de cair na malha fina da Receita Federal. Os contribuintes têm até o dia 30 de abril, às 23h59 do horário de Brasília, para entregar a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF). O advogado especialista em Direito Tributário Dr. Rodrigo Bley, do escritório Ogusuku & Bley Advogados, de Sorocaba (SP), destaca que a Receita Federal está cada vez mais exigente em relação à divulgação dos dados. “O objetivo é evitar fraudes e sonegações. Portanto, o contribuinte dever redobrar a atenção para evitar cair na malha fina e ter problemas com o Fisco”, orienta. Malha fina é um termo contábil

Leia mais

Dr. Rodrigo Bley, advogado especialista em Direto Tributário do escritório Ogusuku&Bley

Especialista esclarece dúvidas sobre declaração do IR às empresas

1 ano atrás 0 0 530

Entrega deve ser realizada em três datas do ano; tributarista aponta que é necessária atenção redobrada para não cometer erros na declaração.  Assim como para a pessoa física, a declaração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) também é obrigatória. E, como envolve muitos tópicos, é preciso estar atento às regras. Uma dúvida bastante comum entre os proprietários de empresas e organizações é quem deve, ou não, declarar. O IRPJ é obrigatório a todas as empresas que possuem CNPJ e existem dois tipos de declaração, o de “pessoa jurídica inativa” e “ativa”. De acordo com o advogado especialista em Direito Tributário Dr. Rodrigo Bley, do escritório Ogusuku&Bley Advogados, de Sorocaba (SP), o termo “pessoa jurídica inativa” não se refere a empresas falidas ou fechadas, mas, sim, a empresas que não efetivaram atividade patrimonial, financeira ou operacional. E alerta: “é preciso lembrar de entregar, anualmente, a declaração Simplificada da Pessoa

Leia mais